Itinerário formativo propõe a inovação da prática pedagógica pelas competências digitais ~ TribunaIguatu.com

PROGRAMA TRIBUNA SHOW

allowfullscreen="true">allow="autoplay; clipboard-write; encrypted-media; picture-in-picture; web-share" allowfullscreen="true">

sexta-feira, 26 de março de 2021

Itinerário formativo propõe a inovação da prática pedagógica pelas competências digitais

 


A Secretaria da Educação (Seduc) realizou, nessa quarta-feira (24), a abertura do Itinerário Formativo: Competências Digitais para a Docência, com a palestra “Competências digitais docentes para o ensino remoto/híbrido”. A webinar contou com a participação da secretária da Educação, Eliana Estrela; da secretária executiva do Ensino Médio e Profissional, Jucineide Fernandes; do secretário Executivo de Cooperação com os Municípios, Márcio Brito; da diretora presidente do Centro de Inovação para a Educação Básica (CIEB), Lúcia Dellagnelo; e da presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação secção Ceará (Undime-CE), Luiza Aurélia Teixeira. A coordenadora da Coordenadoria de Formação Docente e Educação a Distância (Coded/CED), Vagna Lima, foi a mediadora do encontro.

O Itinerário Formativo: Competências Digitais para a Docência trata-se de uma ação de formação para professores das redes públicas estadual e municipais de ensino, mobilizada por meio da Coded/CED. A iniciativa conta com cerca de 13 mil professores inscritos.

A proposta do Itinerário vai ao encontro das mudanças no processo de ensino e aprendizagem, que demandam novas competências, pois exigem dos professores aprimoramentos nos conhecimentos acerca de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC), de forma consciente, crítica e reflexiva para promover o ensino-aprendizagem.

Eliana Estrela ressalta que a formação é fundamental para o processo de mudança de postura na construção do conhecimento. “Sabemos que estamos passando por momentos difíceis. Sentimos falta da convivência, do olho no olho, porque somos afetivos. Mas, precisamos ter foco e uma agenda estratégica. O ensino remoto fará parte de nossas vidas por muito tempo e precisaremos entender a educação para além da escola, sem jamais descartar a importância da interação, da convivência e da experiência do chão da escola. As competências digitais estão cada vez mais presentes em nossas vidas e precisamos aprimorar nossa forma de vivenciar essas inovações”, avalia.

Acompanhamento e avaliação

A finalidade do percurso formativo é o desenvolvimento das competências digitais para a docência, para que haja a apropriação tanto no acompanhamento quanto na avaliação, na perspectiva de promover um espaço formativo aberto para troca de experiências de formação e desenvolvimento de práticas com as tecnologias digitais.

Para esta ação, a Seduc realizou parceria com o CIEB, que propõe uma autoavaliação de identificação do nível de apropriação de conhecimentos e usos de tecnologias digitais, de acordo com a matriz de competências, para apoiar o aperfeiçoamento permanente dos docentes.

Lúcia Dellagnelo defende que a tecnologia pode ser aliada do professor no desempenho de suas atividades de orientação e de promoção da aprendizagem. “Precisamos saber incorporar os aspectos positivos do uso da tecnologia na educação, de maneira crítica. A pandemia pode estar mudando a educação para sempre. O ensino híbrido é uma estratégia que une o melhor dos dois mundos: o presencial e o online, integrando o uso da tecnologia digital a outras práticas pedagógicas em sala de aula e remotas. O que liga essas duas coisas é o bom planejamento pedagógico. A vantagem do híbrido é que diversifica as experiências de aprendizagem, além da geração de dados e informações para o professor sobre o trabalho de cada aluno”, esclarece.

Ganho coletivo

Jucineide Fernandes considera o Itinerário um marco na formação de professores. “Quando o professor estuda, quem ganha também são os alunos. A aprendizagem contínua é uma necessidade no século XXI. Antigamente, havia a mentalidade de que se passava um tempo aprendendo e o restante do tempo, ensinando. Isso acontecia em todas as profissões. Hoje, entretanto, o movimento de mudança é muito rápido e exige de nós a aprendizagem constante”, argumenta.

Márcio Brito lembra que, em 2020, o que havia sido planejado não pôde ser vivenciado, em decorrência do início da pandemia. “Em 2021, temos mais governabilidade sobre o planejamento. As habilidades e competências, enriquecidas a partir de um projeto formativo, vão certamente nos ajudar a superar esse momento de crise. Que a gente possa ter, como grande meta para 2021, a eficiência pedagógica e a conquista da aprendizagem por parte dos estudantes. Tenho certeza de que o processo de formação liderado pelo CED vai contribuir muito para que todas as redes, municipais e estadual, possam seguir em frente”.

Luiza Aurélia Teixeira considera que a união de forças entre estado e municípios tem sido fundamental para a superação das dificuldades atuais e enaltece a realização do Itinerário Formativo. “Sabemos que professor é mais que uma profissão. É um inventar e reinventar, ser criativo, somar, gostar de dividir e também ter o dom de multiplicar. É isso o que estamos fazendo, e não simplesmente repetindo o que outras gerações fizeram. Fazer educação é um ato de coragem e de compromisso. O professor precisa ter conhecimento do uso das tecnologias, para dar significado ao processo que estamos vivendo hoje”, aponta.

Etapas

A ação formativa é composta por três cursos com 40 h/a, personalizados por níveis e intercalados por uma webinar, totalizando 150 h/a. Os cursos apresentam três sequências didáticas: Introdução, Apropriação e Intervenção, e acontecem no Ambiente Virtual de Aprendizagem AVACED.

A iniciativa faz parte do Programa de Formação Continuada: Itinerários Formativos, que teve sua versão piloto em 2018, com cursos de formação continuada para os docentes da rede pública estadual de ensino. O objetivo da atividade é promover o aperfeiçoamento das práticas didático-pedagógicas, com a reflexão dos professores sobre a docência, tanto no contexto da sala de aula como nos ambientes de aprendizagens existentes na escola, concebendo a pesquisa como um princípio pedagógico.

Ascom Seduc - Texto


0 comentários:

Postar um comentário