Guiné anuncia oficialmente uma epidemia de Ebola ~ TribunaIguatu.com

PROGRAMA TRIBUNA SHOW

allowfullscreen="true">allow="autoplay; clipboard-write; encrypted-media; picture-in-picture; web-share" allowfullscreen="true">

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Guiné anuncia oficialmente uma epidemia de Ebola

 

Na última epidemia, mais de 11 mil pessoas morreram na África entre 2014 e 2016

AHMED JALLANZO / EPA - EFE - ARQUIVO



O governo da Guiné confirmou neste domingo (14) a existência de uma epidemia de Ebola no sudeste do país, com pelo menos sete infecções e três mortes, naquele que é o primeiro surto do vírus nesta região desde a epidemia entre 2014 e 2016 na África Ocidental, que deixou pelo menos 11,3 mil mortos.

"A primeira investigação realizada contabilizou sete casos, todos com mais de 25 anos (quatro homens e três mulheres), entre os quais (há) três óbitos (...) As três primeiras amostras enviadas para os laboratórios de Gueckedou e Conakri foram positivos para o Ebola", disse a Agência Nacional de Segurança Sanitária (ANSS) do governo local, em um comunicado.

Consequentemente, o Ministério da Saúde guineense declarou oficialmente a existência de uma epidemia no sudeste do país e confirmou medidas como a implementação de protocolos de rastreamento e isolamento, bem como uma "aceleração" dos esforços do país, juntamente com a Organização Mundial da Saúde (OMS), sobre vacinação contra o Ebola.

Este novo surto foi detectado na zona de Gouecke, perto da cidade de N'Zerekore (sudeste), e as suas origens remontam, até ao momento, ao funeral de uma enfermeira que faleceu no final de janeiro.

A informação de que foram detectados vários óbitos e suspeitas de infecções por Ebola no país já tinha sido levantada ontem pelo ministro da Saúde, Remy Lamah, de acordo com testes iniciais que estavam à espera de serem reconfirmados hoje nos laboratórios de Conakri.

Com esses dados, a OMS já havia manifestado hoje sua preocupação com o possível ressurgimento do ebola nesta área tão afetada.

INTERNACIONAL Da EFE

0 comentários:

Postar um comentário