Irmãos presos por chacina em Ibaretama, no Ceará, deram apoio a grupo responsável pelo crime, aponta investigação ~ TribunaIguatu.com

PROGRAMA A NOTICIA DO CEARÁ

Para Ver Mais Vídeos No Nosso Site CLIK AQUI E VEJA MAIS

terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Irmãos presos por chacina em Ibaretama, no Ceará, deram apoio a grupo responsável pelo crime, aponta investigação



Vítimas foram executadas dentro de residência durante a madrugada. — Foto: Leabem Monteiro/SVM

Presos por envolvimento na chacina de Ibaretama, no Ceará, os irmãos Francisco Victor Azevedo Lima, 20 anos, e Kelvin Azevedo Lima, 26, foram os responsáveis por dar apoio aos criminosos responsáveis pela matança, em novembro deste ano.

O crime ocorreu no dia 26 de novembro, quando homens armados invadirem uma casa e assassinaram sete pessoas , incluindo uma criança de 7 anos. De acordo com a Polícia Civil, a chacina foi provocada por disputas de organizações criminosas.

Na apuração realizada pela Delegacia Regional de Quixadá, os investigadores chegaram à conclusão de que, ainda na data das prisões dos dois suspeitos, dia 27 de novembro, um roteador de internet apreendido era utilizado na casa de um dos irmãos pelo grupo criminoso.

No inquérito, o delegado afirma que o suspeito Kelvin Azevedo permitiu o acesso ao seu próprio celular e, por causa disto, "ficou claro que eles (os irmãos Kelvin e Victor Azevedo) tinham participação com o crime investigado, notadamente, com o suporte aos criminosos na execução do crime".

De acordo com a investigação, Kelvin teve contato direto com um homem identificado como Wanderson Delfino de Queiroz, ao passo que o irmão Francisco Victor deu "alimentação aos criminosos".

Segundo as apurações dos policiais, Kelvin confessou que se encaminhou à rodovia CE-060 para buscar dois comparsas de Wanderson, que vinham de Fortaleza uma noite antes do crime, mas não conheciam a região.

Após a chacina, Wanderson Delfino e seus comparsas teriam usado a casa de um dos irmãos como base. Eles teriam sido recebidos por Francisco Victor e utilizado a residência para carregar os celulares, captar sinais de Wi-fi e se alimentar.

O contato com Wanderson, inclusive, foi mantido mesmo após o crime. Kelvin pediu que o irmão fosse deixar água e comida, dando o suporte necessário para os criminosos.

No documento, o delegado afirma que "os irmãos Kelvin e Francisco Victor tiveram participação essencial na chacina, o apontamento dos alvos e o suporte para os criminosos conseguirem fugir do local sem serem capturados foi todo orquestrado por eles". Os dois suspeitos presos ficaram em silêncio durante os depoimentos.

Dois mortos eram da mesma família

Dois dos sete mortos na chacina pertenciam à mesma família. Osvaldo da Silva Lima e uma criança de 6 anos, identificada como Wiliam da Silva Rodrigues, eram tio e sobrinho. A dona da casa onde o crime ocorreu era mãe de Wiliam e irmã de Osvaldo. Ela ficou ferida, mas sobreviveu.

A mãe da dona da casa e de Osvaldo, que não terá o nome identificado, disse ter recebido por telefone a notícia de que familiares haviam sido mortos e uma mulher, baleada. A sobrevivente contou a uma irmã que os criminosos chegaram dizendo que eram policiais e, antes de matar alguns dos moradores, pediram para que as vítimas se ajoelhassem. As vítimas ainda tentaram fugir correndo para o quintal do imóvel, mas foram alvejadas pelos disparos.


Por: G1-CE.

0 comentários:

Postar um comentário