Tempo de resposta do Samu Ceará chega a ficar uma hora mais rápido após pico da pandemia ~ TribunaIguatu.com
Para Ver Mais Vídeos No Nosso Site CLIK AQUI E VEJA MAIS

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Tempo de resposta do Samu Ceará chega a ficar uma hora mais rápido após pico da pandemia


O indicador do tempo de resposta do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Ceará, que mede o intervalo de tempo entre o pedido de ajuda até a chegada da equipe, voltou a crescer após o pico da pandemia no estado em 34,7%, na comparação dos meses de maio a setembro. As informações são da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa).

O ganho de tempo nas Unidades de Saúde Avançadas (USAs), consideradas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) móveis, chegou a mais de uma hora. Em maio e junho, a média de resposta foi de três horas e 14 minutos. Em setembro, o intervalo caiu para 126 minutos.

Já entre as Unidades de Saúde Básicas (USBs) houve aumento de 32,7%. Em maio, o tempo médio da chegada foi de 55 minutos, o maior de 2020; já no mês passado, caiu para 37 minutos. O valor se aproxima ao do trimestre de janeiro a março, com 35 minutos.

Segundo o diretor geral do Samu Ceará, coronel João Vasconcelos Souza, se o serviço não tivesse chegado aos 184 municípios em 2020, “a situação ia ser muito feia”.

O governo do estado considerou o Samu universalizado em junho, com o funcionamento de 114 bases.

O coronel atribui a maior demora no período crítico à paramentação dos profissionais e às longas distâncias, “já que o atendimento ficou concentrado em alguns hospitais”, sobretudo em municípios do interior. Segundo ele, qualquer um dos 163 veículos disponíveis no estado poderia atender a casos de Covid-19, desde que passasse por uma limpeza anterior. Ele confirmou que alguns profissionais do setor foram afastados por contaminação.

Ana Paula Lemos, presidente interina do Conselho Regional de Enfermagem do Ceará (Coren-CE), reitera que a demora nos atendimentos durante a fase mais crítica se relaciona com a necessidade de higienização dos veículos e a troca de equipamentos de proteção dos profissionais de saúde.

“O Samu teve um trabalho gigantesco para fazer a remoção de pessoas que eram diagnosticadas em UPAs, até mesmo na atenção básica, para levar aos hospitais”, pontua.

“Muitas vezes, ainda eram casos não confirmados porque o exame estava demorando a sair. Se era caso suspeito, eles não poderiam pegar outro paciente antes de desinfetar e higienizar. Foi um trabalho muito exaustivo para todos, tanto físico como psicológico”.

O Ceará tem bases descentralizadas nas cinco Regiões de Saúde, conforme a Sesa. Entre março e outubro deste ano, o Samu realizou 53.245 atendimentos, sendo 5.165 de pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19. O número representa quase 10% do total. Dos casos relacionados à doença, 52% foram atendidos por USAs, com 2.687 ocorrências.

“Deixamos o serviço universalizado e isso nos ajudou muito. Estamos tendo uma baixa bem substancial agora, mas o Samu teve um papel muito forte no pico, nas transferências e atendimentos”, ressalta o coronel Vasconcelos. “Como o Samu está bem distribuído no estado, ele consegue dar vazão a essas situações, embora o atendimento da Covid seja mais longo”.

Capital

Em Fortaleza, o serviço é gerido pela Prefeitura. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) declarou que 2.240 atendimentos entre março e setembro foram específicos para casos suspeitos e/ou confirmados de Covid-19. Sete ambulâncias e dois transportes sanitários foram destinados para esse processo. A pasta não informou qual foi o tempo médio de resposta.

Na capital, o serviço conta com 540 profissionais, entre médicos, enfermeiros, socorristas, técnicos de enfermagem e pessoal administrativo. A frota atual é de 25 ambulâncias e 10 motolâncias, além do Bike Vida, que presta atendimento na Avenida Beira Mar, distribuídos em nove bases descentralizadas, “em todas as Regionais e em locais estratégicos da cidade”.

De acordo com o coronel Vasconcelos, para continuar diminuindo o tempo de resposta, o Samu vem intensificando os núcleos de ensino profissional, ainda de forma virtual, para que os 1.930 funcionários (condutores, enfermeiros, técnicos e médicos) aprendam novas práticas a partir da conduta dos próprios colegas de trabalho.

Pr: G1-CE.

0 comentários:

Postar um comentário