Agricultor de 72 anos segue estudos e sonha em cursar Direito após concluir Ensino Médio ~ TribunaIguatu.com
Para Ver Mais Vídeos No Nosso Site CLIK AQUI E VEJA MAIS

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Agricultor de 72 anos segue estudos e sonha em cursar Direito após concluir Ensino Médio


Disposição para encarar a vida, persistência nos objetivos, confiança no futuro e mentalidade aberta são marcas da personalidade do agricultor Antônio Santos de Sousa, de 72 anos, natural de Campos Belos, na zona rural do município de Caridade. Trabalhador do campo desde os sete anos, só veio conhecer escola em 2012, quando já contava mais de sessenta de idade, após ter se aposentado e dado por concluída a tarefa de garantir o sustento dos quatro filhos, hoje todos adultos.

O sonho de ampliar os horizontes e poder enxergar além do que a realidade lhe mostrava ao longo de décadas, entretanto, sempre se manteve vivo. O desejo de concluir a educação básica e ingressar no Ensino Superior, no curso de Direito, em tempo, dá sinais de estar próximo de se concretizar.

Aluno da 2ª série da Escola de Ensino Médio em Tempo Integral (EEMTI) José Nilton Salvino Franco, distante 13 quilômetros da Fazenda São Vicente, onde reside, seu Antônio teve os primeiros contatos com as letras aos 12 anos, por iniciativa própria, quando conseguiu uma “carta de ABC”, antigo livro didático dedicado a alfabetizar crianças. Na falta de um professor que o ensinasse os conteúdos, ele se lançava pelas redondezas em busca de alguma explicação, pois não se contentava em não saber.

“Naquele tempo, não havia professora. Eu saía pelas estradas procurando uma pessoa que soubesse ler e me ensinasse a lição da carta. Quando aprendia, voltava pra casa e ia estudar. Isso foi um sucesso para mim!”, rememora.

Constância

Apesar do chamado da responsabilidade ter vindo tão cedo, a perseverança e a visão esperançosa do agricultor lhe faziam acreditar que a oportunidade da sua vida, um dia, chegaria. “Eu pensava: se fosse estudar, como queria, não teria condições de alimentar meus filhos. Naquela época, tudo, tudo era difícil. Principalmente, para quem morava no mato. A gente era muito pobre. Depois, voltei a estudar porque isso me interessava demais, desde criança. Só não tinha era possibilidade”, explica.

Em 2019, a escola presenteou seu Antônio com o livro Vade Mecum, publicação de referência na área jurídica, que era objeto de desejo do agricultor. A inclinação pelo curso de Direito é antiga, conforme ele conta. “A gente já vem de muito tempo com isso na cabeça. Eu dizia: se algum dia estudar, vou ser juiz de Direito. Se tivesse estudado desde criança, já teria disputado muitos cargos. Vontade, eu tinha demais”, aponta.

Por: Repórter Ceará.
Foto: Bianca Oliveira.

0 comentários:

Postar um comentário