Maior alta da taxa de Covid é em jovens de 20 a 29 anos, de junho a agosto ~ TribunaIguatu.com
Para Ver Mais Vídeos No Nosso Site CLIK AQUI E VEJA MAIS

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Maior alta da taxa de Covid é em jovens de 20 a 29 anos, de junho a agosto


As infecções por Covid-19 no Ceará já ultrapassam os 205 mil casos, e embora a velocidade de contaminação esteja mais estabilizada, o vírus segue se propagando. No Estado, uma comparação dos registros da doença por grupos etários (de 10 em 10 anos), entre junho e agosto, aponta que pessoas de 20 a 29 anos foram, proporcionalmente, as que mais tiveram novas contaminações pela doença.

Em 1º de junho - dia da reabertura gradual das atividades econômicas -, do total de contaminados, 14,61% eram deste grupo etário. No dia 15 de agosto, subiu para 16,97%. Em números absolutos, até a data, 201.772 pessoas foram contaminadas, sendo 34.246 com idade entre 20 e 29 anos. Este é o maior crescimento proporcional do período e fez com que esse grupo fosse o terceiro de maior incidência da doença no Estado. Pessoas com 30 a 39 anos, seguidas pelas de 40 a 49 anos, ainda são as mais contaminadas.

Os dados constam na plataforma IntegraSUS da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). Conforme análise feita pelo SVM, outros dois grupos etários que também tiveram crescimento proporcional, no intervalo de tempo analisado, no Estado foram os de 10 a 19 anos, e de crianças de 0 a 9 anos. Apesar do aumento, estes dois grupos não estão entre os que mais têm casos.

Não há resposta única e definitiva sobre o que tem provocado esse aumento. O acréscimo de casos pode ser resultado de vários fatores, como: os jovens estarem mais expostos nas ruas em decorrência da idade ativa para o mercado de trabalho; reduzirem os cuidados sanitários por terem percepções menos drásticas do que a pandemia pode provocar às pessoas mais novas; e também representarem a população mais numerosa do Estado, dentre outros. No Ceará, é preciso considerar que o maior número de habitantes tem justamente entre 20 e 29 anos, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dos 9.194.363 de residentes no Estado, segundo projeção do órgão, 17,02% são jovens deste grupo etário.

A alta na contaminação dos jovens é um perigo para os próprios indivíduos e também um alerta porque pode repercutir na infecção de pessoas mais velhas e mais vulneráveis. Por isso, profissionais da saúde reforçam: apesar de as evidências indicarem que as infecções em jovens são menos severas, esta população não pode relaxar nas medidas de segurança no momento em que o Ceará, de modo geral, tem alcançado um certo controle da propagação do vírus.

Efeitos

"A menor probabilidade de ter casos mais graves, não quer dizer que não tenha nenhuma ocorrência. E se tem muita gente se infectando, isso pode resultar, sim, em mais mortes. Se você multiplicar o número de infectados por mil, por 10 mil, isso é considerável", avalia o infectologista do Hospital São José e professor da Universidade de Fortaleza, Keny Colares.

Além disso, Keny explica que ainda não se conhece com precisão os efeitos da Covid tanto na fase aguda, como posteriormente. Portanto, ter menos gravidade nos casos entre jovens não assegura que as sequelas nesta população não existam. Outro dilema da contaminação de jovens é a repercussão secundária que pode gerar risco para outras pessoas como pais, avós, familiares mais velhos.

"Devemos continuar tentando separar aquilo que é essencial do que pode ser adiado. Para não retroceder. Esse processo de reabertura tem que continuar sendo lento e planejado. Se perdermos o controle (da doença), vamos perder essa liberdade que vem sendo conquistada", alerta.
Óbitos

O aumento da incidência de Covid nesta população, conforme as evidências científicas vêm demonstrando devido à menor gravidade dos casos e os dados apontam, não se traduz diretamente em crescimento de mortes. Os óbitos por Covid-19, no Ceará, ocorrem predominantemente entre os idosos.

Os grupos com maior quantidade de mortes, conforme dados do Integrasus analisados até o dia 15 de agosto, são de 80 anos ou mais (31,20%), 70 a 79 anos (25,32%) e 60 a 69 anos (18,14%). A cada 100 pessoas mortas por Covid no Ceará, uma tinha entre 20 e 29 anos até o dia 15 deste mês.

O médico infectologista e professor da Universidade Estadual do Ceará e Universidade de Fortaleza, Érico Arruda, aponta que é interessante observar a dinâmica de mudanças na contaminação por coronavírus. Ele reitera que os jovens proporcionalmente, de fato, têm menor gravidade da doença. Mas isto não descarta a necessidade de cuidados e preocupação. Tampouco garante total conhecimento sobre o comportamento da doença e os impactos futuros.

"Os jovens têm mais mobilidade e eles têm grupos sociais com maior número de pessoas. Jovens encontram mais pessoas. E isso, de fato, implica em aproximação. À medida que vamos abrindo a possibilidade de reencontro, isso pode ter uma repercussão epidemiológica", acrescenta.

Érico também reforça que "o jovem por natureza se sente invulnerável. É preciso fortalecer a informação que a epidemia não acabou. Esta tranquilidade em nosso Estado, e isso é algo que nos traz uma expectativa no nível de baixa carga de doença, depende de todo mundo continuar atento, mantendo as medidas de higiene".

O infectologista orienta que se nesse momento de relaxamento o jovem precisar sair, encontrar algum grupo, o ideal é adotar a ideia de bolha, uma espécie de grupo restrito de contatos. "Quando você tem uma enorme bolha é muito difícil o controle. Na bolha pequena, ele preserva o grupo. É mais fácil. Ao invés de ter uma bolha de 50 pessoas, tem uma de 10. Um grupo que, se for encontrar, vai mantendo as ações sanitárias. Onde uma pessoa está se sentido mal, gripado, pode dizer que não vai e as demais terem essa ideia de controle".

Por: Diário do Nordeste.

0 comentários:

Postar um comentário