Covid-19 já matou mais que o dobro em comparação com a Aids em 10 anos no Ceará ~ TribunaIguatu.com
Para Ver Mais Vídeos No Nosso Site CLIK AQUI E VEJA MAIS

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Covid-19 já matou mais que o dobro em comparação com a Aids em 10 anos no Ceará


O Brasil já ultrapassou a marca de 100 mil mortes pela Covid-19. No Ceará, já são mais de 8 mil óbitos em decorrência da doença, segundo a Secretaria da Saúde (Sesa) do Estado. Nesta terça-feira (11), o Ceará chegou aos 150 dias desde o início oficial da pandemia, em 15 de março, com inúmeros sentimentos e histórias que ficarão guardadas. Em outros momentos, o estado vivenciou emergências sanitárias, mas nenhuma vitimou tantas pessoas e em tão pouco tempo quanto a Covid-19.


A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids), causada pelo vírus HIV, vitimou, nos 10 últimos anos (2009 – 2019), um total de 3.440 pessoas. O número, apesar de expressivo, é 123% menor do que o deixado pelo novo coronavírus em 150 dias. Até esta quarta-feira (12), já foram 8.076 óbitos confirmados e 192.652 mil diagnósticos positivos da Covid-19, de acordo com o boletim do IntegraSUS da Sesa.

A articuladora do Grupo de Trabalho de IST/Aids da Sesa, Telma Martins, aponta que a experiência adquirida em momentos de emergência em saúde no Ceará está contribuindo no combate ao novo coronavírus. “Inclusive, alguns medicamentos usados para o tratamento da Aids têm sido testados contra a Covid-19, com melhora na saúde das pessoas acometidas e redução nos óbitos. Tudo que a gente aprendeu com o tratamento do HIV e demais viroses tem nos ajudado no combate ao novo coronavírus”, afirma.

Apesar disso, a especialista ressalta que há diferenças na gravidade entre as doenças. Por ter transmissão respiratória, o novo coronavírus possui um potencial mais devastador em comparação às outras viroses. “O vírus ainda é desconhecido, mas sabe-se que é mais agressivo porque compromete, em pouco tempo, todo o organismo, atingindo outros órgãos vitais além dos pulmões. Por isso, pode levar ao óbito mais facilmente”, ressalta.

HIV no Ceará

No primeiro semestre deste ano, o Ceará registrou 493 casos positivos para o HIV em adultos – sendo 94 em gestantes. Em igual período do ano passado, foram 938 registros – 156 em gestantes. A Sesa foi questionada, mas não informou quantos destes evoluíram para óbitos no respectivo período.

Em todo o ano de 2019, no entanto, o Ceará somou 226 mortes pelo HIV, confirma Martins. “Nos últimos 10 anos, tivemos de 300 a 350 óbitos por ano. A gente observa um decréscimo, o que significa que o diagnóstico está sendo feito de forma precoce, mas ainda precisamos reduzir mais”.

Segundo o último boletim da Sesa, de 2019, o pico de óbitos causado pela Aids em uma década aconteceu em 2015, com 398 mortes. Em 2016 e 2017, o estado somou 367 e 358 óbitos, respectivamente. Os três anos, juntos, no entanto somam oito vezes menos mortes que a Covid-19 em quase seis meses.

Sayonara Cidade, presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Ceará (Cosems), aponta que, “a medida que os estudos vão sendo feitos, vamos descobrindo soluções para esta situação (pandemia). Neste momento, nós não temos nenhum tratamento, infelizmente”, aponta.

“Só podemos falar de controle total com uma vacina, o que só acredito para o próximo ano. Também não temos nada, ainda, em relação a medicamentos”.

A representante explica que a descoberta de medicamentos e vacinas em massa acontece mediante tempo e evolução de estudos.

No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) distribui, desde 1996, todos os medicamentos antirretrovirais para tratamento do HIV. Em 2013, o SUS passou a garantir, também, o tratamento para todas as pessoas vivendo com HIV. “Mesmo a transmissão sendo diferente, a Aids era uma condenação: você está com Aids e vai morrer. Hoje, é completamente diferente. É importante está comparando (a Covid-19) com uma doença que tinha zero por cento de chance de cura”.

Fonte: G1.

0 comentários:

Postar um comentário