Para Ver Mais Vídeos No Nosso Site CLIK AQUI E VEJA MAIS

sexta-feira, 10 de julho de 2020

COLUNA 'ESPAÇO ABERTO' - FERNANDES NETO: Comunicação e a Ética No Rádio


A partir do momento em que estamos com os ouvidos atentos a um programa de rádio se espera sempre que a rádio cumpra o seu verdadeiro papel de comunicar e fazer dela um meio de comunicação social. O mínimo que se espera de uma programação radiofônica é que ela seja estruturada dentro da ética. A ética está associada ao estudo fundamentado dos valores morais que orientam o comportamento humano em sociedade.
Aquilo que atribuímos à palavra ética, muito em voga nos dias de hoje, está caindo em desuso nesses meios de comunicação e perdendo espaço para dar lugar a procedimentos indignos ou pérfidos, sórdidos e situações decorrentes de radialistas que esqueceram que o rádio foi programado para educar e não deseducar.
O rádio, na acepção do seu objetivo maior, deve ter um direcionamento como um "norte" para aqueles que tem a missão de comunicar e saber usar um microfone. Essa missão é de todos que fazem a árdua missão de fazer valer a função de uma rádio, seja repórter, redator, diretor, dono de rádio que é o responsável maior por quem está no microfone e principalmente quem faz locução, que no mínimo deve medir e pesar o que vai proferir e expor aos ouvintes de sua emissora.
Todo comunicador de rádio tem o dever "sagrado" de cultivar a tão falada ética como prioridade na sua fala usando a clareza e a precisão da informação com muita seriedade. Fazer rádio não é nenhuma brincadeira de mau gosto, é seriedade, mesmo que existam alguns jargões e toque de irreverência, mas pautado na seriedade, porque nem sempre o povo gosta da discórdia, porque a agressão não faz parte do gênero do radialismo.
A Comunicação deve ser feita com as informações desnudadas de preconceitos e sem exposição do ridículo porque o principal objetivo é a interação com o conceito de excelência do jornalismo que faz parte do processo de fazer comunicação. Aquilo que se faz sem primar pela ética mostra somente que, mesmo que se tenham muitos anos de experiência, um despreparo imensurável e chegando ao limite do insuportável, pois a estupidez está se tornando tão banal que acaba comprometendo toda uma classe de profissionais como se ver no rádio, que tem na sua maior objetividade fazer uma comunicação voltada para o social e um bem de utilidade pública.
O que se quer atualmente é que o Rádio seja feito com a devida qualidade, primando pela ética e pela moral e que os meios de comunicação sejam úteis como a sociedade espera.

Foto: Divulgação

0 comentários:

Postar um comentário